Escravos do Mundo Livre

Esteta ou Asceta? Nada disso, no fundo: Divagações de um pateta...

terça-feira, 26 de junho de 2007

Ria e o mundo rirá com você. Chore e chorará sozinho.


Édipo arranca os olhos, Oh Dae-Su arranca a língua. O primeiro via, mas não bastou ver para evitar seu infortúnio, o segundo falava, mas não tomou cuidado com o que dizia e pagou um alto preço. Os deuses se vingam, os humanos também. Em Old Boy, uma tragédia moderna, há o reconhecimento, a peripécia e a catástrofe, mas e a catarse? A catarse é oblíqua, enviesada, talvez dupla. Como não existe antagonista, no sentido vilonesco, como prega a rasa Hollyhood, a catarse pode ser sentida tanto por Oh Dae-Su, quanto pelo seu aprisionador.

O filme é visceral, com belas e aterrorizantes cenas. É também, um filme sobre aquelas coisas simples, que tomamos como insignificantes para nós, mas que podem ser uma infelicidade insuportável para os outros. Conselho: assista duas vezes e perceba o que você sente na segunda vez, principalmente a partir da cena em que a mocinha canta a música para o amor...


Depois de Old Boy, a vingança de Beatrix Kiddo em Kill Bill até que não parece lá grande coisa.” - (http://pulseluwig.blogspot.com/2005/12/ria-e-o-mundo-rir-com-voc-chore-e.html)

1 Comments:

At domingo, abril 01, 2012, Blogger ze ruela said...

Cara eu chore no final desse filme que uma obra de arte uma poesia do cinema eu começei a olhar com um olhar diferente o cinema asiatico não que tivesse filmes boms por lá mas esse foi um dos mais impactantes pra mim afinal oldboy também e amor.

 

Postar um comentário

A verdade dói, mas quem sabe eu ñ sou masoquista? Diz aí:

Links to this post:

Criar um link

<< Home