Escravos do Mundo Livre

Esteta ou Asceta? Nada disso, no fundo: Divagações de um pateta...

sábado, 4 de agosto de 2007

Tomar de novo

Retomando: “Não fazer a crítica de uma obra de ficção enquanto não souber exatamente o que o autor quer nos fazer experimentar”. (Adler em Como ler um livro)


É possível saber exatamente o que o autor quer nos fazer experimentar? Creio que não. O autor almeja muitas coisas e ao mesmo tempo a nada, pois sabe que o livro é do leitor. É esse último que, dará à narrativa um sentido. Claro que seguindo uma determinada coerência posta pelo escritor.

Assim sendo, creio que nesse bom livro de Chesterton, uma das interpretações possíveis, é a de que o autor critica o poder estabelecido. Os poderosos depois de brincarem de gato e rato, devidamente disfarçados, depois de experimentarem o lado anárquico, rebelde e contestador, voltam a sentarem nas cadeiras de pedras, de onde nunca saem. Faz-nos pensar que até o levante contra os poderosos é armado por eles mesmos, de modo que controlam absolutamente tudo no mundo. Assim a ordem não se altera, não existe oposição real, a não ser, na narrativa de Chesterton, a de um poeta de cabelos vermelhos desconsolado que é incapaz de ameaçar os poderosos.

Ao som de The Cure e Os Arrudas!

0 Comments:

Postar um comentário

A verdade dói, mas quem sabe eu ñ sou masoquista? Diz aí:

Links to this post:

Criar um link

<< Home